Menu

Análise PS4 – ACA Haunted Castle

Recentemente a linha de clássicos Arcade Archives (ACA) da Hamster Corp., que visa trazer à atualidade clássicos do retro gaming, trouxe o Haunted Castle, e nós tivemos a oportunidade de lhe pôr as mãos na PS4.

Haunted Castle foi o primeiro de uma linha de arcada da Konami da sua franquia de Castlevania, ainda mantemos o mesmo espirito de ir atrás do Dracula, mas aqui o motivo passa por ser outro, o jogo é completamente diferente do primeiro Castlevania na NES, e é normal pois foi feito com visão para arcadas, sendo que até aqui a plot tem um pequeno twist, a nossa razão para inciar uma jornada atrás de Dracula passa por ser que no dia do casamento do nosso Simon Belmont, a sua mulher é raptada por um qualquer motivo pelo Dracula em pessoa, e é aqui que a nossa jornada se inicia, ao longo de 6 stages onde vamos passar por locais interessantes com cenários que no seu background estão em movimento, como cemitérios, uma estranha mansão, cavernas onde podemos ver rios de lava e não só, basicamente aquele pedaço de plot inicial é tudo o que recebemos mas também sendo um jogo de arcada pouco mais seria preciso. Mais interessante é que para além de um high score mode, que vos desafia a conseguir com uma vida só fazer a melhor pontuação possível, 6 troféus adicionados ao jogo em geral, e ainda um caravan mode que entra na linha do High Score mode mas será a melhor pontuação no espaço de 5 minutos, podem ainda escolher qual das 3 versões do jogo querem jogar, a Europeia, Americana ou Japonesa, sendo que pela net numa pesquisa rápida toda a gente recomenda pegar na Japonesa, aquela que mantém a fórmula de desafio do jogo, experimentei a versão Europeia e Japonesa e não achei grandes diferenças de jogabilidade em termos de dificuldade, sendo que o jogo em si acaba a ser sempre desafiante.

Em termos de jogabilidade é super simples podemos saltar, atacar, fazer a combinação de botão de ataque e carregar no direcional para cima, ou ter o joystick esquerdo a puxar para cima para usar uma das várias armas especiais que obtemos a derrotar os inimigos do jogo, outro ponto interessante é que não as perdemos quando gastamos todas as que podemos usar, e ainda mais, interessante é que o número de quantas podemos usar é definido pelo número de corações que temos, que podem ser restabelecidos com os ocasionais que inimigos como morcegos, mortos vivos, esqueletos, anões maléficos e não só largam e que podemos apanhar, também desta maneira a derrotar inimigos, por norma eventualmente largam upgrades para a nossa arma principal, começamos com o clássico chicote mas podemos passar a ter um maço por exemplo, tudo coisas que nos vão dar muito jeito a enfrentar bosses como o Monstro de Frankenstein, a Medusa, uma espécie de esqueleto de cobra gigante cuspidora de fogo, e não só, que definem o final de cada stage.

Até aqui tudo bem, temos uma fórmula interessante e a nível visual sim o jogo é em muitas coisas interessante de se ver, mas depois temos coisas em que se afunda um pouco, o design de certos inimigos é algo um pouco estranho a certos momentos como os mortos vivos, que acabam a ter uma forma estranha, aliás em quase geral acho que não se esforçaram muito no que iriam apresentar na altura, em contraste aos cenários e ambientes que ficaram algo fenomenais, acabamos a ter design de personagens com pouca inspiração, não fosse só este o problema o andar do Simon é deveras estranho parece que está de pernas abertas sempre (did something happen last night Simon?), não fosse só elementos visuais, ainda posso abordar os sons do jogo, temos efeitos de ambiente muito interessantes e que dão vida ao jogo, o som de uivo de lobisomem quando carregamos no triângulo para adicionar mais créditos para continuar o jogo quando morremos, é também deveras interessante, mas depois temos outro problema os sons que certos inimigos fazem como os esqueletos do segundo stage em que quando morrem largam uma forma espiritual, com risos acaba a ser um pouco desproporcional à atmosfera do jogo a partir de certo momento, o som que Simon faz quando é atingido também é um grunhido um pouco diferente do que seria de esperar.

Em conclusão penso que este é um bom revisitar a este clássico para quem quer reviver nostalgia de máquinas de arcada, ou que gostava de ter apanhado este clássico nas arcadas e não conseguiu, e até com opções definidas visuais que podem usar para ganhar algum retro feel, e mesmo de jogabilidade como continues infinitos num jogo que não vos dava maneira de restaurar vida (não fosse este um jogo de arcada), e que pelo que sei só vos deixava usar até 3 continues. Mas a pergunta real é, se o jogo envelheceu bem? Irei dizer que, não, não acho que tenha envelhecido bem em temos de animações visuais de personagens, desgin dos mesmos e de certos sons, de resto não vejo motivos de queixa, pelo que pelo preço que é acho que merece que lhe deem uma oportunidade, em especial se forem fãs da franquia Castlevania.

Recentemente a linha de clássicos Arcade Archives (ACA) da Hamster Corp., que visa trazer à atualidade clássicos do retro gaming, trouxe o Haunted Castle, e nós tivemos a oportunidade de lhe pôr as mãos na PS4. Haunted Castle foi o primeiro de uma linha de arcada da Konami da sua franquia de Castlevania, ainda mantemos o mesmo espirito de ir atrás do Dracula, mas aqui o motivo passa por ser outro, o jogo é completamente diferente do primeiro Castlevania na NES, e é normal pois foi feito com visão para arcadas, sendo que até aqui a plot tem um pequeno…
Um clássico de arcada da franquia Castlevania, que acaba a ser interessante e seria bem agradável não fossem falhas no seu design de personagens e certos sons que fogem à atmosfera do que seria de esperar do jogo em termos de qualidade.
Longevidade - 79%
Diversidade - 85%
Jogabilidade - 80%
Grafismo - 70%
Som - 78%

78%

Nostálgico!

Um clássico de arcada da franquia Castlevania, que acaba a ser interessante e seria bem agradável não fossem falhas no seu design de personagens e certos sons que fogem à atmosfera do que seria de esperar do jogo em termos de qualidade.

User Rating: No Ratings Yet !

Sou aquele gajo que ama RPG’s, mas que nunca terminou o FFVII, que acha o Fallout 2 o melhor jogo de sempre, o GBC a consola que nunca foi superada (muito Pokémon na altura :P, mas devo confessar que atualmente de eleição é a PS3, mas GBC é aquela coisa) e que tem como eleição a PlayStation.

No comments

Deixe uma resposta

Video em Destaque

Parceiros