Análise PS4 – Dragon Ball: Xenoverse

Dragon Ball Xenoverse, o jogo que virou a maré a favor da franquia pois há que tempos que a mesma não via um jogo de DB tão bem feito, ou que vivesse a lenda da popularidade dos Mangas e Anime (mais o segundo), como este viveu, a questão aqui da minha parte, arranco já a dizer que vive e por boas razões, mas muita gente cai num erro crasso a meu ver e já vamos ver o porquê.

A história do jogo está bem desenvolvida, fazemos parte da Time Patrol, uma policia do tempo que visa garantir que os eventos de cada linha do tempo ficam inalterados por ocorrências alheias, ou pessoas, sendo que começamos o jogo como um dos novos recrutas. Logo ao inicio somos recebidos por Trunks, que é um dos mais condecorados da patrulha e que virá a ser o nosso parceiro basicamente, e os problemas começam quando Towa (irmã do Demon King Dabura) e a sua criação Mira começam a mexer com a linha do tempo na ideia de sugar a energia de vários guerreiros, sendo que o sentido final de o porquê de estarem a fazer isto fica basicamente desconhecido. As alterações que os mesmos causam estão a fazer com que em certas alturas e momentos, guerreiros como Frieza que eram outrora derrotados, fiquem com um boost de poder e consigam subjugar os seus rivais como neste caso que referi, o Goku. A nossa missão passa por ir a estes momentos e fazer com que os eventos decorram como originalmente se passaram, e começamos como em tantos outros jogos de DB, num combate contra…Raditz.

Apesar de tudo isto ser o inicio, o jogo desenvolve-se para algo mais substancial a girar em torno de outro personagem, o Demon God Demigra, que está selado numa brecha do tempo, e que pretende escapar para capturar a cidade de Toki Toki, que é a cidade que serve de hub para a patrulha do tempo e para a Supreme Kai of Time. Chega tudo a um ponto de Demigra começar a tentar controlar vários guerreiros e reunir a sua energia para escapar e eventualmente para nos derrotar, pois vamos estar sempre a derrubar os seus planos maléficos assim que se descobre o que ele anda a fazer. Vamos passar por vários arcs no nosso percurso, como a Sayan Saga, a Frieza Saga, Cell Saga, etc… até pela de Beerus, até chegar a um arc de eventos do Demigra. Posso dizer que isto acaba a estar tudo bem distribuído em termos de acontecimentos, e apesar de se conseguir até rapidamente ir fazendo cada arc, temos ainda uma mão cheia de Parallel Quests para fazer que nos vão entreter, fora ainda que podemos aqui neste jogo ficar sob a alçada de personagens de DB como Piccolo ou o Hercules mesmo,  para nos treinarem, isto serve para desbloquear até novos ataques e equipamento para o nosso personagem, ataques que são temáticos as estes personagens.

As PQs não servem só para nos entreter mas também dar-nos a possibilidade de desbloquear mais personagens da franquia, isto porque apesar de nas main quests jogarmos com o nosso personagem, nas Parallel, e mesmo no modo versus online, podemos escolher usar personagens aparte como Goku, Vegeta, Frieza, Kid Buu, etc…, também nos dão a hipótese de desbloquear novas habilidades para equipar nos slots limitados do nosso personagem, e mesmo equipamento como disse, podemos mesmo vestir o nosso personagem como o Goku, ou como o Piccolo, como um guerreiro do exército do Frieza, etc…, também e como aparte, na cidade hub de Toki Toki temos uma zona de comerciantes, onde podemos adquirir equipamento e habilidades, bem como cápsulas de HP e não só que podem ser usadas em combate.

Seja em qual quest for, ganhamos XP para evoluir o nosso personagem de nível, quer estejamos a jogar com ele ou não, e consequentemente com estas subidas de nível ganhamos pontos de atributos para evoluir os nossos….atributos, como a nossa proficiência com ataques de KI, ataques melee, o nosso nível de HP, Stamina, etc…, e isto por uma simples razão, DB Xenoverse entra dentro do prisma de JRPG, e dentro do encaixe de sub-género de jogos como Soul Sacrifice, God Eater, Monster Hunter, etc…, muda é que se baseia no universo de DB e com um sistema de combate que incorpora o espirito da série, sendo que dentro do género fica como um sistema interessante e divertido de se usar, só achei por momentos que na movimentação nas áreas das missões (que eram divididas quase sempre em zonas), poderia ser um pouco mais rápida, não acho que o nosso flight dash seja suficientemente rápido como é quando estamos a dar lock-on num inimigo, mas são opiniões, também as animações de ultimate moves esperava que fosse algo um pouco mais dramático, mas mesmo assim não tira menos valor ao que aqui foi feito a meu ver. Visualmente o jogo está deslumbrante e nada a apontar, a cidade de Toki Toki é fenomenal, e todos os cenários e respetivas zonas estão muito bem criadas e recriadas da série, bem como todos os seus personagens e mesmo os efeitos de combate e ataques especiais, uma coisa que gostei bastante de ver é que apesar de haver uns quantos loadings, o seus tempos são minúsculos, nem se fazem sentir na fluidez do jogo e achei isso impressionante, também temos uma boa OST a acompanhar os momentos do jogo e as cutscenes da história que são em algumas partes não feitas em tempo real mas sim desenhadas em manga art colorida, também podem jogar o jogo com as vozes Japonesas originais ou em Inglês por exemplo, pessoalmente foi tudo em Japonês com legendas em ENG.

Em conclusão este é um dos mais aclamados jogos da franquia e com bons motivos faz muita coisa bem e que era necessária, uma queixa que tinha do Battle of Z e que era o que estragava o jogo, acabava a ser o desastrado sistema de AI de parceiros, aqui está fenomenal, acho é errado uma maioria pensar que este jogo é um fighter que é um erro crasso, quando na realidade é sim um JRPG com elementos de Fighter, e um de grande valor, recomendado a quem goste de DB mas também a quem goste do género.

Dragon Ball Xenoverse, o jogo que virou a maré a favor da franquia pois há que tempos que a mesma não via um jogo de DB tão bem feito, ou que vivesse a lenda da popularidade dos Mangas e Anime (mais o segundo), como este viveu, a questão aqui da minha parte, arranco já a dizer que vive e por boas razões, mas muita gente cai num erro crasso a meu ver e já vamos ver o porquê. A história do jogo está bem desenvolvida, fazemos parte da Time Patrol, uma policia do tempo que visa garantir que os eventos…
O Jogo que trouxe os jogos de DB de novo para a ribalta, e por bons motivos, nos tempos mais recentes quando se tem de recomendar jogos de DB este é sem dúvida um que tem de ser falado!
História - 83%
Jogabilidade - 82%
Grafismo - 84%
Som - 81%

83%

Fantástico!

O Jogo que trouxe os jogos de DB de novo para a ribalta, e por bons motivos, nos tempos mais recentes quando se tem de recomendar jogos de DB este é sem dúvida um que tem de ser falado!

User Rating: No Ratings Yet !

About the author

Sou aquele gajo que ama RPG's, mas que nunca terminou o FFVII, que acha o Fallout 2 o melhor jogo de sempre, o GBC a consola que nunca foi superada (muito Pokémon na altura :P, mas devo confessar que atualmente de eleição é a PS3, mas GBC é aquela coisa) e que tem como eleição a PlayStation.

Related

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Análise Nintendo Switch – Dragon Ball: Xenoverse 2 – PSGames Power Fevereiro 9, 2018 at 2:30 pm

    […] a nossa análise recente ao Xenoverse 1 na PS4, regressamos agora com uma feita ao Xenoverse 2, desta vez à versão da Switch que recebeu o seu […]

    Reply
Inline
Inline