Menu

Análise PS4 – Mystik Belle

Mystik Belle, um jogo do estúdio Last Dimension que já conta o seu tempo em PC, mas que só este ano fez caminho em direção à PS4 e não só pelas mãos da WayForward, um jogo cheio de charme e sentimento retro, mas que será que tem mais de interesse para além disso?

A história toma lugar nem Hagmore, uma escola de magia, e vocês estão no papel de Belle Macfae, e estão na altura do ano em que acontece o ritual anual da criação da poção Walpurgisnacht, mas pelos vistos há uma sabotagem, e adivinhem quem fica com as culpas? Exato a Belle, sendo que que lhe é atribuída responsabilidade do sucedido e de recriar a poção até, sendo que terá de percorrer a escola infestada de criaturas mágicas, fantasmagóricas e não só em busca dos ingredientes. Pelo caminho acabam a interagir com vários dos colegas de Belle, professores e não só, que dão charme à plot simples do jogo com diálogos engraçados e até interessantes de se ler.

Em termos de jogabilidade o jogo acaba a ser um metroidvania, vão percorrer para trás e para a frente os vários corredores da escola e locais em redor, enquanto defrontam vários inimigos como plantas carnívoras, espécie de cobras esqueleto com cabeça de dragão quase, porcos fantasma e não só, sendo que para acederem a novas áreas vão precisar algumas vezes de descobrir primeiro certos power ups como de dar salto duplo, ou resolver certos puzzles, que vai envolver muitas trocas entre o vosso inventário e os baús de que servem como armazenamento, pois estão limitados ao número de itens com que podem andar, e digamos que neste campo fica como uma falha, quando Belle deveria ter acesso a um inventário infinito, pois todas estas trocas podem acabar a estragar um pouco a fluidez do jogo, e com com isto acabo a  dizer que ao bom estilo de um metroidvania a exploração será essencial, bem como recordar certos locais onde terão de voltar mais tarde, pois poderão não ter acesso aos mesmos quando lá passam pela primeira vez. Uma maior variedade de feitiços também poderia favorecer o combate para além da magia base e pouco mais que os upgrades que se faz eventualmente, pois os combates acabam a ficar um pouco monótonos a certa altura, devido à repetição que nos entregam com a pouca seleção de magias.

No meio disto tudo o aspeto visual de Mystik Belle é fenomenal, dando-nos um estilo de arte visual retro muito bem executado e até animado, seja nos seus ambientes, personagens ou inimigos, é realmente algo que agarra os jogadores, acompanhado de uma OST animada com intuito de passar um ambiente direi de mistério em parte, ficou algo bastante interessante neste campo, e como disse o visual retro e de sprites de Mystik Belle fica algo de se ter em atenção.

Em conclusão Mystik Belle tem as suas falhas, mas continua a ser uma experiência divertida e capaz de nos entreter, pena que não tenha modos extra após ser finalizado, um time attack poderia ser engraçado após se saber o percurso para o final, ou um modo NG+ com mais bosses ou plot até à parte, mesmo assim é uma experiência recomendável para quem gosta do género.

Mystik Belle, um jogo do estúdio Last Dimension que já conta o seu tempo em PC, mas que só este ano fez caminho em direção à PS4 e não só pelas mãos da WayForward, um jogo cheio de charme e sentimento retro, mas que será que tem mais de interesse para além disso? A história toma lugar nem Hagmore, uma escola de magia, e vocês estão no papel de Belle Macfae, e estão na altura do ano em que acontece o ritual anual da criação da poção Walpurgisnacht, mas pelos vistos há uma sabotagem, e adivinhem quem fica com as…
Uma experiência agradável e interessante, que infelizmente tem falta de conteúdo extra após o seu final para lhe dar um verdadeiro sentido de replay value.
História - 85%
Jogabilidade - 75%
Grafismo - 87%
Som - 83%

83%

Recomendado!

Uma experiência agradável e interessante, que infelizmente tem falta de conteúdo extra após o seu final para lhe dar um verdadeiro sentido de replay value.

User Rating: No Ratings Yet !

Sou aquele gajo que ama RPG’s, mas que nunca terminou o FFVII, que acha o Fallout 2 o melhor jogo de sempre, o GBC a consola que nunca foi superada (muito Pokémon na altura :P, mas devo confessar que atualmente de eleição é a PS3, mas GBC é aquela coisa) e que tem como eleição a PlayStation.

No comments

Deixe uma resposta

Video em Destaque

Parceiros