Análise PS4 – Realms of Arkania: Blade of Destiny HD

Realms of Arkania: Blade of Destiny é um clássico RPG de 1992 que faz parte de uma trilogia. Pelo que noto passou um pouco debaixo do radar na altura e já mesmo este remake em HD sofreu do mesmo, consta que o seu lançamento original em 2013 foi desastroso, mas em 2017 um versão revista e já com todos os patches implementados foi relançada na Steam novamente, e na PS4 e XOne pela primeira vez, como nunca joguei a versão original deste remake, não sei em primeira mão de que males sofria, mas com alguma pesquisa feita, vamos ver se o jogo resolveu alguns dos problemas e se vale a pena regressar ou entrar no mesmo.

Não vou mesmo mentir, não terminei este jogo nem sequer fiz um grande esforço para avançar minimamente nele, mas a isto deve-se algo. Por acaso fiquei entusiasmado na altura do seu lançamento, e como fã do género tive uma grande vontade de entrar no mundo deste jogo e de trazer uma análise do mesmo, a questão prende-se que sofri uma desilusão sem dúvida, e começo a compreender o porquê de tantas notas desastrosas que recebeu em 2013, apesar de me ter parecido que certos problemas foram corrigidos, cheguei a ler que havia problemas na tradução do jogo, de notar que vem de um estúdio Alemão, tal como o original foi produzido por um estúdio Alemão, ainda mais sendo tudo isto baseado num famoso jogo de RPG Alemão semelhante a Dungeons & Dragons, The Dark Eye, e voltando ao meu ponto não notei nenhum problema relativamente a isto no meu tempo passado com o jogo, antes de avançar mais na minha análise vou dar-vos um vislumbre do que é a história. Basicamente a plot é que um Orc Chief conseguiu unir todas as tribos de Orcs e planeia atacar e tomar conta das terras governadas pelo homem, e no meio disto tudo nós, ou melhor, a nossa party é contratada para encontrar uma mítica espada, a espada de Hetman Hyggelik, a Grimring, conhecida também como a Blade of Destiny, sendo que a mesma está perdida desde que o seu dono foi morto, e para ajudar mais ao assunto, o objetivo é encontra-la e usá-la para erradicar a ameaça dos Orcs e o seu líder, e tudo no espaço de 2 anos in-game, se não os Orcs irão lançar a sua ofensiva de conquista e erradicar as terras dos homens.

Indo então em frente vi muitas queixas sobre o sistema de jogabilidade por o mesmo estar incompleto na altura em termos de magias disponíveis para uso por exemplo, e aqui devo dizer que não notei que houvesse algo em falta, mas uma queixa que notei foi que haviam vários inimigos que faziam danos excessivamente altos aos nossos personagens, ou falhas em dar direções reais aos jogadores em termos de objetivos, onde ir, o funcionamento do combate, etc…, e a isto devo dizer que se mantém. Ora bem basicamente neste jogo somos postos ao deus dará logo desde o inicio, sem qualquer indicação real no criador de personagens inicial onde podemos gerar ao calhas os stats dos nossos personagens ou tentar perder tempo a perceber como funciona cada atributo e que influência terá no jogo, nisto tudo eu tentei perder tempo a ver o que me sairia mais equilibrado para experimentar o jogo, mas não consegui notar nenhum resultado com sucesso.

Mas os problemas não se ficam aqui e penso que nem sequer os descobrir todos, devo ter ficado na ponta do iceberg. Apesar de achar que o jogo tem uma premissa interessante de plot, todo o desenrolar da mesmo logo ao inicio deixa qualquer jogador sem dúvida aborrecido a um extremo impensável quase, não existe um desenrolar certo da história, acho que o melhor exemplo que posso aqui dar será, imaginem Skyrim, pronto, agora pensem na forma como o jogo vos dá partes de plot, e vos indica onde deverão ir para avançar mais e o que precisam de ir fazendo minimamente, mas ao mesmo tempo dá-vos a liberdade total para perseguirem os caminhos que quiserem de side-quests ou explorar ou alternativas em certos momentos ao objetivo de uma quest, bem aqui também têm liberdade de navegar pelo mundo do jogo, por auto-travel no mapa (que nem vos diz ou indica que dito auto-travel está a ocorrer quando selecionam uma localização para ir), ou indo pelo jogo em si que decorre na exploração numa perspetiva de primeira-pessoa, fosse isto o melhor quase em nenhuma altura conseguem saber realmente para onde têm de ir quando descobrem (sim descobrem) uma quest, eu dei ênfase neste descobrem, porque quase é uma caça ao tesouro apanhar uma quest, cheguei a ir umas poucas vezes a tabernas em busca de pistas de coisas a acontecer mas quase nunca recebi informação que valesse alguma coisa, bem como falar com NPCs ao calhas, e isto até poderia ser algo parte da experiência e poderia viver com isso sim, não fosse a questão já encontrar quests é uma caça ao tesouro, então conseguir fazê-las ….sem comentários, se conseguirem descobrir como navegar com sucesso no mundo deste jogo e no sentido dos objetivos pá avisem-me a sério.

Eu por norma gosto de experiências que desafiem o jogador, que nos façam pensar um bocado fora do óbvio e nos faça trabalhar pela nossa recompensa, mas acho que neste jogo levam isso demasiado à letra, sem falar no sistema de combate do qual quase não se percebe nada inicialmente, é preciso malhar nele a sério, e os combates senti que eram bastante desfavorecidos para o nosso lado, fosse contra um bando de ladrões à noite numa das vilas, fosse na floresta uma alcateia de lobos, não chegasse já o facto de falharmos praticamente 90% dos nossos ataques (porra), os nossos inimigos são capazes de acertar todos e fazer alguns danos graves, no combate com os lobos por exemplo que mencionei, até durante o mesmo chegavam a aparecer cada vez mais, no inicio haviam uns 4/5 no final quando desisti e sai do jogo tinha quase a minha party erradicada e haviam uns 8/9 lobos no ecrã e dois deles mortos (boa matei 2 em 3/5 minutos de combate).

Este jogo tem uma grande falta de tutoriais, usa sistemas que a meu ver hoje em dia já estão talvez datados em alguns aspetos e noutros poderiam passar como algo divertido de se usar para jogadores mais ferranhos do género, se ao menos viessem com tutoriais de como o fazer, porque basicamente são atirados para a arena literalmente sem indicações do que fazer, têm uma dificuldade em termos dos inimigos exagerada e toda a maneira como descobrem e progridem em quests é completamente confusa, é um jogo terrível a meu ver, e nem sei como financiaram o lançamento de um remake da sequela.

Realms of Arkania: Blade of Destiny é um clássico RPG de 1992 que faz parte de uma trilogia. Pelo que noto passou um pouco debaixo do radar na altura e já mesmo este remake em HD sofreu do mesmo, consta que o seu lançamento original em 2013 foi desastroso, mas em 2017 um versão revista e já com todos os patches implementados foi relançada na Steam novamente, e na PS4 e XOne pela primeira vez, como nunca joguei a versão original deste remake, não sei em primeira mão de que males sofria, mas com alguma pesquisa feita, vamos ver se…
Nem sei o que dizer mais este jogo é simplesmente mau, acho que se quiserem dar-lhe uma chance experimentem ir para o original.
História - 54%
Jogabilidade - 43%
Grafismo - 65%
Som - 73%

59%

Muito Mau!

Nem sei o que dizer mais este jogo é simplesmente mau, acho que se quiserem dar-lhe uma chance experimentem ir para o original.

User Rating: No Ratings Yet !

About the author

Sou aquele gajo que ama RPG's, mas que nunca terminou o FFVII, que acha o Fallout 2 o melhor jogo de sempre, o GBC a consola que nunca foi superada (muito Pokémon na altura :P, mas devo confessar que atualmente de eleição é a PS3, mas GBC é aquela coisa) e que tem como eleição a PlayStation.

Related

JOIN THE DISCUSSION

Inline
Inline